Denúncia de racismo religioso




O caso ocorreu no Ilê Asé Omo Odé Egbe Logun Edé, casa do Pai Diego de Logun, em Iturama - Minas Gerais. A cerimônia religiosa foi interrompida por policiais que alegaram que o vizinho denunciou o barulho. Os atabaques foram apreendidos e o sacerdote foi encaminhado à delegacia. O pai de santo vai responder por perturbação do sossego em audiência judicial.

A comunidade afro-religiosa assiste com total preocupação a este ataque promovido pelo Estado ao nosso direito de culto.

Estas cenas remontam aos séculos XIX e XX, quando nossas casas eram invadidas pela polícia e nossa religião era criminalizada.

Não podemos nos calar diante deste retrocesso. O Estado tem o dever de proteger nosso direito de culto, jamais de subvertê-lo.

Compartilhe o vídeo, mobilize a comunidade, ajude no que puder para que este caso não se estenda ou se repita.

Que isto sirva para o povo de santo finalmente compreender que estamos em ameaça de extinção no Brasil atual. Querem nos silenciar de todas as formas, como sempre fizeram.

Assista os vídeos:






FONTE: Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR)

2 comentários:

  1. É um absurdo uma coisa dessa o estado é laico e o culto é livre!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.